Sindicalista lafaietense esclarece motivações que levaram trabalhadores da Educação a entrarem em greve

Por meio de um vídeo postado nas nossas redes sociais, o diretor do Sind-UTE Lafaiete, o professor aposentado, Antônio Severino de Rezende Lobo, o “Toninho”, como é mais conhecido o sindicalista, falou sobre a situação que os trabalhadores da educação em Minas estão enfrentando. No vídeo, Toninho cita o desrespeito por parte do governo de Minas dando como exemplo, o tratamento diferenciado entre servidores públicos.

Toninho defende aumento de salário para os professores.

O sindicalista explica, entre outros, que enquanto muitos trabalhadores da educação sequer receberam o 13º, já existe na Assembleia de Minas, um projeto dando aos servidores da segurança pública um aumento de 40%. “Não somos contra o aumento dos servidores da segurança. Apoiamos, inclusive. Mas nós, da educação, também merecemos os 40%, e mais, merecemos também receber o piso salarial que está aprovado em lei. Desta forma, em Belo Horizonte em Assembleia Estadual, foi definida a greve por parte dos trabalhadores da educação a partir do dia 11 de fevereiro, próxima terça-feira”, pontuou Toninho.

Lafaiete e região

Sobre a situação da greve em Conselheiro Lafaiete e cidades da região, Toninho fez esclarecimentos e mandou um recado aos jovens educadores “Em Conselheiro Lafaiete nós vamos realizar nos próximos dias uma Assembleia Regional para definir os rumos do movimento em nossa cidade e cidades da região. O apelo que eu faço é que, a conta vai chegar para todos principalmente para você professor que está iniciando sua carreira agora. A sua aposentadoria está em jogo, o seu salário está em jogo. Então nós esperamos que as pessoas se mobilizem nas escolas e compareçam na assembleia que será divulgada pelo Sind-UTE  Lafaiete nos próximos dias. Um abraço. Esperamos o apoio de vocês”, disse Toninho.

Clique aqui e curta a página do Site Lafaiete Agora no Facebook