A pseudociese é caracterizada por um fenômeno fisiológico natural em que as cadelas, não gestantes, passam ao final da fase luteal do ciclo estral. Esses sinais são resultantes de alterações hormonais caracterizadas pela redução na concentração de progesterona e aumento na concentração de prolactina; podendo desencadear um quadro de pseudociese clínica em algumas cadelas. Vale ressaltar que algumas situações específicas também podem ocasionar essa mesma alteração hormonal e levar a um quadro de pseudogestação.

Os sinais clínicos geralmente passam a ser observados entre 6 a 12 semanas após o estro (cio), onde podem ser verificados aumento de peso, desenvolvimento das glândulas mamárias e lactação, falta de apetite, inquietação, alterações comportamentais como construir ninhos, cavar buracos, ou até mesmo adotar objetos como se fossem suas crias. Algumas apresentam hiperatividade, relutância em sair para passear e até mesmo chegam a mamar em suas próprias mamas. Tem-se que ter especial atenção às cadelas que produzem muito leite, uma vez que podem acabar por desenvolver mastite, ou seja, inflamação da glândula mamária.

O diagnóstico faz-se mediante os sintomas apresentados pelo animal, associado à detecção de cio recente. Havendo dúvidas quanto à possível gestação ou não, deve-se realizar uma ultrassonografia. Não se descarta a possibilidade de realização de diagnóstico diferencial.

A pseudociese, em sua grande maioria, é considerada normal e fisiológica e por ser de caráter autolimitante, os sintomas comumente regridem entre uma a três semanas. Importante o acompanhamento médico veterinário, o qual se responsabilizará pelas orientações de como lidar com esse animal, uma vez em que em situações de evolução do caso e principalmente quando da presença de lactação, verifica-se a necessidade de tratamento medicamentoso.

Importante ressaltar que cadelas que apresentam uma vez pseudociese clínica, são predispostas a recidivas nos próximos ciclos reprodutivos, razão pela qual se deve optar pela ovariectomia, ou seja, remoção dos ovários mediante procedimento cirúrgico. Mantenha-se atento a qualquer alteração que seu animal possa apresentar e não hesite em procurar ajuda médica.

É de responsabilidade do tutor zelar pelo bem estar do animal.

“Haverá um dia em que o homem conhecerá o íntimo dos animais. Neste dia, um crime cometido contra um animal será considerado um crime contra a própria humanidade”. Leonardo da Vinci.

Por Gláucia Ávila – Estudante de Medicina Veterinária e colaboradora do site Lafaiete Agora