Glaycon Franco articula debate sobre desenvolvimento da agricultura familiar e incremento à alimentação escolar

Com a participação do deputado estadual Glaycon Franco (PV), articulador do evento, Conselheiro Lafaiete sediou, na manhã da terça-feira (12/03), o  “1º Fórum Regional de Gestão do Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE) e Agricultura Familiar”. O Fórum é resultado de parceria entre a Secretaria de Estado de Educação, por intermédio da Superintendência Regional de Ensino de Lafaiete e a Secretaria Estadual de Agricultura, Pecuária e Abastecimento de Minas Gerais, por meio da Emater, contando com o apoio do Codap e da Amalpa.

O objetivo principal foi prestar orientações aos pequenos produtores e aos gestores, sobre a comercialização dos produtos da agricultura familiar no âmbito do Programa Nacional de Alimentação Escolar. Glaycon Franco, desde sempre um entusiasta do abastecimento de entidades públicas e instituições educacionais com a produção familiar, saudou o pioneirismo da região ao sediar o primeiro seminário sobre o tema: “No ano passado, já tínhamos organizado um primeiro encontro, buscando aproximar o pequeno produtor e os órgãos públicos, com especial ênfase para nossas escolas estaduais. Fico muito feliz porque nosso trabalho deu frutos, literalmente; por isso, gostaria de cumprimentar a Emater e a 8ª SRE, que não pouparam esforços para que pudéssemos realizar, no Alto Paraopeba e Vale do Piranga, o primeiro fórum regional promovido sobre o assunto em Minas Gerais.”

Glaycon observou que para permanecer trabalhando na terra, o homem do campo precisa ter meios assegurados para consolidar sua produção. O deputado lembrou que, no final de 2018, a Assembleia Legislativa aprovou a Lei 22.911, com várias regras envolvendo aquisições de alimentos pelo poder público, exigindo no mínimo, 30% de aquisição dos alimentos oriundos da agricultura familiar. “Vemos, nesta lei, uma das formas mais positivas de gerar emprego e renda na área rural, tornando a produção sustentável economicamente e também em relação ao meio ambiente, pois são produtos sem agrotóxicos. Sempre digo que uma das grandes alternativas para Minas e o Brasil é gerar emprego, renda e sustentabilidade no meio rural, criando condições para o trabalhador se fixar no campo, pois ele só vem para a cidade quando não tem condições de produzir e prover o sustento de sua família”, ressaltou Glaycon.

O deputado pontuou, ainda, que, ao contrário do que muita gente imagina, a produção familiar não se limita aos hortifrutigranjeiros, havendo muitos setores onde ela experimenta vertiginosa expansão: “60% da produção de leite vem das pequenas propriedades que, agora, estão se dedicando à criação de peixes. Esta economia é, também, movimentada pelas comunidades quilombolas, pelos piscicultores, apicultores e outros segmentos envolvidos na cadeia produtiva. A agricultura familiar é, hoje, responsável por 35% do Produto Interno Bruto Brasileiro. 75% da mão de obra empregada no campo, em Minas Gerais  serve à agricultura familiar, que constitui a base da economia de 90% dos municípios brasileiros com até 20 mil habitantes. Temos certeza de que este Fórum é o pontapé inicial para incentivar os produtores da região que ainda não o fizeram a ‘Declaração de Aptidão ao Pronaf’ (DAP) habilitando para a comercialização de seus produtos. Vamos fazer todo o esforço para que os municípios e as escolas adquiram a produção local de nossos agricultores familiares, para que ela tenha destino certo: a mesa dos consumidores locais, que terão produtos de qualidade e contribuirão para a geração de emprego e renda nas nossas áreas rurais”, afirmou o deputado Glaycon Franco.

Participaram, também, do evento, além do deputado Glaycon Franco, Maria de Lourdes Reis Silva Beato (superintendente da 8ª SER), Vitório Alves Freitas (gerente da Unidade Regional Belo Horizonte da Emater), Célio Pereira de Souza (presidente da Amalpa e prefeito de Queluzito), Rodolfo Gonzaga (secretário executivo do Codap),  e Rafael Lana (secretário municipal de Desenvolvimento Econômico de Consleheiro Lafaiete), além de servidores da Superintendência Regional de Ensino.