Mário Marcus defende a realização do FACE e diz que prefeitura não gastou nenhum tostão

Criticado em um vídeo que circula nas redes sociais, o prefeito de Conselheiro Lafaiete, Mário Marcus (DEM) saiu em defesa da realização do XIX Festival de Artes Cênicas de Conselheiro Lafaiete (FACE) que aconteceu de 13 a 21 de julho e trouxe para a cidade cerca de 500 artistas. No vídeo um cidadão critica o prefeito acusando-o de investir dinheiro público no FACE e que tal recurso poderia ser injetado na área da saúde.

Festival de Artes Cênicas movimentou a cidade de Conselheiro Lafaiete.

Mário Marcus afirmou que o festival trouxe muita alegria para a cidade e destacou que o município apoiou a realização do evento. “O município não investiu nenhum tostão para que acontecesse o Festival de Teatro de Conselheiro Lafaiete. Foi um festival todo patrocinado, organizado pela Casa do Teatro com seus patrocinadores. O município apenas apoiou o evento. E apoiou sim porque o objetivo do Festival de Teatro foi trazer pessoas para Conselheiro Lafaiete, do Brasil inteiro. Vieram pessoas de 09 estados do país, 63 municípios trazendo alegria para o povo”, frisou o prefeito.

O prefeito Mário Marcus, o vice Dr. Marco Antônio e o secretário de Cultura, Geraldo Lafayette ao lado de Talita Nascimento, homenageada do Face e de apoiadores do festival.

Mário Marcus destacou ainda a realização de 80 espetáculos na cidade no período de férias oferecendo uma opção de lazer, cultura e entretenimento. “Deixem esses críticos falando sem conhecimento. O povo está cansado disso. O povo quer ver a realidade, as coisas acontecendo, as obras acontecendo como estão acontecendo e infelizmente isso dói em algumas pessoas que torcem pelo o insucesso da cidade, mas isso não nos atinge. Nós vamos continuar avante, lutando, trabalhando com entusiasmo e responsabilidade”, frisou, Mário Marcus que parabenizou os organizadores do festival.

O secretário de Cultura, Geraldo Lafayette informou ao site Lafaiete Agora que o município apoiou o FACE com logística, cedendo espaço para a realização do evento, bem como a disponibilização de funcionários para limpeza dos locais. “Se tivéssemos investido no festival não teria problema algum. Não investimos dinheiro porque não temos”, disse Geraldo Lafayette.

Fotos: Mauro Dutra de Faria