Mãe é suspeita de matar filha de 1 ano e dois meses com golpes no rosto e no pescoço

Na noite de segunda-feira, 12/07, a Polícia Militar foi acionada numa residência no bairro Nossa Senhora Aparecida em Barbacena após informações de que havia uma criança ensanguentada. No local, a PM verificou que uma menina de 1 ano e dois meses, estava na cama do quarto da casa.

Em contato com a avó da criança, ela relatou aos militares que foi na casa da filha e pediu para ver a neta. Como a filha demorou muito para abrir a porta, a mulher olhou pela janela a viu pegando a criança no colo levando-a para a cozinha enquanto a menina chorava muito. Quando a mulher abriu a porta, ela disse para a mãe que a bebê estava no quarto. A avó foi ao quarto e não encontrou a neta.

A avó então foi para cozinha e encontrou a neta caída ao solo próxima ao fogão toda ensanguentada. Ela pegou a criança no colo e colocou na cama. Nesse momento, a filha saiu de casa. A avó saiu de casa e pediu socorro. Foi acionado o Samu tendo a médica feito o socorro à criança que ainda estava viva, mas morreu em seguida. A perícia da Polícia Civil fez os trabalhos e relatou que a criança foi golpeada por 20 a 21 vezes no rosto e pescoço.

A arma do crime não foi encontrada. O corpo da criança foi levado para o IML. Enquanto os militares ainda estavam na casa, a suspeita ligou para o celular da mãe. Um militar conversou com a mulher para saber sua localização, mas ela apenas dizia que uma coisa horrível havia acontecido na residência, mas não contava o que era. Ela disse que estava em frente a uma lanchonete no bairro Grogotó. Os militares foram ao local e um homem desceu de um veículo Focus contando que vinha na condução do carro quando uma mulher apareceu na frente.

Ele parou o veículo e a mulher pedia para ele acionar a PM. A suspeita, uma mulher de 35 anos, estava no banco de trás do carro e foi presa. Ela disse que teve um surto na cozinha com a filha e depois se lembra de estar andando na rua. Na delegacia, a suspeita ficava repetindo que iria se separar do marido, não tinha dinheiro e iria trabalhar para cuidar da filha. No dia 10 de julho, o marido da suspeita foi preso por agredi-la.