Projeto desenvolvido nas escolas municipais de Congonhas transforma óleo de cozinha em biodiesel

Cuidar e proteger o meio ambiente são preocupações dos alunos da rede municipal de ensino. Em Congonhas, o projeto “Óleo do Bem”, pioneiro na região, tem mobilizado a comunidade escolar de 16 instituições de ensino em um único objetivo: coletar óleo de cozinha e transformá-lo em biodiesel. No primeiro semestre, foram recolhidos 5.200 litros do produto e encaminhados à Recomix, que revende e destina o material à fabricação do combustível biodegradável. O lucro obtido é revertido em projetos de educação ambiental, melhorias para a escola ou atividades direcionadas aos estudantes.

Neste segundo semestre, a atividade continuará sendo realizada. As escolas municipais Engenheiro Oscar Weinschenck, João Olyntho Ferraz, Augusto Silva e Dona Maria de Oliveira Castanheira estão recebendo palestras e peças teatrais sobre o tema. Segundo a proprietária da Recomix, Eucinéia Magalhães Novaes, o projeto Óleo do Bem começou a ser desenvolvido em Congonhas, mas foi estendido a outras cidades, entre elas Conselheiro Lafaiete, Cristiano Otoni, Itaverava, Carandaí, Ouro Branco, Barbacena, Mariana e Ouro Preto. O Kadu, mascote da empresa, visita as escolas motivando os alunos.

“A parceria está sendo bastante produtiva, com excelentes resultados, no sentido de termos a possibilidade de formar multiplicadores, que são os alunos, professores e demais profissionais das escolas, sobre a destinação correta do óleo vegetal, evitando a contaminação ambienta,l principalmente na cidade de Congonhas. Entendemos que é realmente uma parceria que deu certo. Estamos muito satisfeitos com a receptividade em todas as escolas que nossa equipe apresenta. O brilho nos olhos dos alunos para aprenderem a respeito da reciclagem do óleo e a produção de biodiesel, através da peça teatral ‘Óleo que eu aprendi’ dos atores Cessy Gonçalves e Filipe Diáz é muito gratificante”, disse.

Projeto

O projeto “Óleo do Bem” foi desenvolvido pela Escola Municipal José Monteiro de Castro para a V Conferência Nacional Infantojuvenil pelo Meio Ambiente – Vamos cuidar do Brasil, realizada em 2018. A atividade debateu o agravamento da poluição de rios e lençóis freáticos pelo descarte incorreto do óleo de cozinha. Foi assim, buscando alternativas para solucionar esse problema ambiental, que a escola descobriu a empresa Recomix, de Conselheiro Lafaiete, que compra o óleo usado e o revende para que seja transformado em biocombustível. Como a ação foi um sucesso, foi estendida a mais escolas.

O recolhimento do óleo é feito por meio de uma gincana e, como premiação, os alunos visitam o Parque Ecológica da Cachoeira. Assim, mais do que uma questão ambiental, essa atividade tem um cunho pedagógico, já que trabalha, entre outras questões, a cooperação, o trabalho em equipe, a competição, a autonomia e a sustentabilidade.