Agentes de Saúde de Lafaiete reivindicam pagamento de insalubridade

Nos últimos dias, devido à disseminação da pandemia de coronavírus, o mundo inteiro tem manifestado reconhecimento aos profissionais da saúde pela dedicação e entrega com que têm abraçado sua missão. No entanto, uma categoria de servidores da área da saúde de Conselheiro Lafaiete vem se sentindo injustiçada pela administração municipal, trata-se dos Agentes Comunitários de Saúde – ACS’s, profissionais incansáveis que atuam na linha de frente do SUS.

Na folha de pagamento do mês de fevereiro, a Prefeitura atendendo a uma antiga reivindicação, iniciou o pagamento do adicional de insalubridade e periculosidade aos servidores municipais definidos pelo Laudo Técnico das Condições Ambientais do Trabalho, elaborado pelo engenheiro de segurança, Luciano José Vieira Franco.  Os ACS’s não tiveram o direito reconhecido pelo laudo técnico, mas alegam que em seu trabalho realizam visitas em domicílios onde mantém contato com pacientes acometidos de doenças infectocontagiosas, uma realidade comumente constatada no exercício das atribuições do cargo.

Os ACS’s relatam, ainda, o acumulo ilegal de funções, visto que além de suas funções habituais, eles trabalham na recepção das unidades de saúde, onde têm contato direto com pacientes (inclusive com casos suspeitos da COVID-19) e realizam a limpeza dos postos de saúde, trabalhos também altamente insalubres e sem o fornecimento de Equipamentos de Proteção Individual (EPI) pela Prefeitura.

No início deste mês de março, vários ACS’s receberam contato telefônico do presidente do Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Conselheiro Lafaiete, Valdiney Delmaschio Alves, informando que a entidade teria conseguido junto ao executivo municipal o pagamento do referido direito, inclusive com o valor retroativo a fevereiro de 2020, no entanto, não foi o que os agentes verificaram nesta terça-feira, 31/03, quando a Prefeitura realizou o pagamento.

Clique aqui e curta a página do Site Lafaiete Agora no Facebook