Sentiu falta do Carnaval? É hora de pensar na folia que queremos em Lafaiete

Mesmo sem festa por conta da pandemia da Covid-19, acabou mais um Carnaval. Este ano, o confete, serpentina, os blocos e escolas de samba abriram alas para o cuidado com a vida tão necessário nestes tempos tão difíceis. “O Carnaval pode esperar, a vida não”, esta foi a frase estampada em várias campanhas publicitárias que destacaram a necessidade do isolamento social.

Para quem não gosta da festa, o Carnaval certamente não fez falta. Mas para quem é parte da maior festa popular do país, a nostalgia apontou também que o Carnaval não é só diversão, mas também uma fonte de renda para muitos que através da festa ganham um dinheiro extra. Nos últimos dias, a Escola de Samba Unidos do São João, de Lafaiete e foliões como o teatrólogo Geraldo Lafayette, Filomena Cardoso, Tarcísio Souza, Lilian Pinheiro, Mauro Dutra de Faria e tantos outros postaram nas redes sociais fotos demonstrando a saudade do nosso Carnaval de rua. Houve quem arriscasse a dizer: “Que saudade do Carnaval de Lafaiete”.

Por falar nisso, somando este ano atípico de pandemia, o último Carnaval em Lafaiete foi em 2018 quando por falta de recursos, houve uma festa modesta. Apesar dos esforços de quem está à frente das agremiações carnavalescas e da Secretaria de Cultura para manter vivo o Carnaval de rua da cidade, a festa momesca não causa empolgação em boa parte da população. Os eventos carnavalescos isolados nos bairros parecem tirar do município a responsabilidade pelo fracasso do Carnaval lafaietense. Só que não. Os desfiles das agremiações carnavalescas também já não causam mais empolgação nem mesmo nos bairros onde são organizados os blocos e a Escola de Samba Unidos do São João, a única que ainda resiste apesar das dificuldades. 

Cidades da região que não tinham tradição no Carnaval ou nem mesmo realizam a festa se tornaram mais atrativas que a folia em Lafaiete. Isso ocorre porque nestes municípios o Carnaval é muito mais do que uma festa, é um negócio lucrativo.

A pausa nos últimos três anos pode ser a chave para que os amantes do Carnaval comecem a pensar em um modelo mais atrativo para a folia em Lafaiete. Qual o Carnaval que queremos para Lafaiete? Se fizermos este questionamento certamente serão muitas as respostas, mas na prática ainda estamos longe de um Carnaval atrativo e lucrativo para o município. Mas é preciso dar o pontapé inicial, afinal sonhar em transformar Lafaiete como destaque entre os destinos do Carnaval não é impossível. Há cerca de 10 anos não se falava do Carnaval de Belo Horizonte que em pouco tempo se consolidou como um dos maiores do país atraindo aproximadamente 5 milhões de foliões em busca de lugar nos mais de 500 blocos.

O planejamento para 2022 pode começar a partir de agora. Quem sabe a criação de um grupo envolvendo quem gosta da folia, representantes de agremiações, poder público e o Conselho Municipal de Cultura para discutir com a comunidade um novo formato para o nosso Carnaval? É a hora de identificar onde estamos errando ao organizar a festa e buscar a confiança da população que nos bons tempos da folia lotou a avenida Telésforo Candido de Resende e a praça Tiradentes para ver o desfile dos blocos e das escolas de samba e até torceram para sua agremiação favorita ser campeã do Carnaval da cidade.

A hora é agora e queira Deus que até o Carnaval de 2022 toda a população esteja vacinada contra a Covid-19. Ai sim tenho certeza que a folia será épica. Mas para terminar eu deixo a pergunta: Qual o Carnaval que queremos em Lafaiete?

Por Jornalista José Carlos Vieira