Policial penal mata médico a tiros

Um médico de 53 anos foi morto a tiros na manhã da quarta-feira (12/05) em São João Del Rei. Autor confesso do crime, um policial penal de 35 anos disse que cometeu o homicídio devido a ciúmes de sua esposa, que trabalha como enfermeira no mesmo hospital que a vítima.

Médico José Augusto foi morto a tiros. Foto: Reprodução Facebook

Segundo a Polícia Militar, o caso aconteceu por volta das 11h50 no local conhecido como Loteamento Novo Horizonte. Funcionários de uma obra teriam ouvido alguns disparos de arma de fogo e um homem fugindo de motocicleta, por isso, acionaram a corporação. Lá, o médico José Augusto de Vasconcellos estava dentro de seu carro, um Toyota Etios, desacordado, ensanguentado e preso pelo cinto de segurança. Ele foi socorrido por uma ambulância do SAMU e levado à Santa Casa de Misericórdia, onde veio a óbito no início da tarde.

Motivação

Enquanto os policiais atendiam a essa ocorrência, uma outra equipe se deslocava para averiguar a briga de um casal, no bairro Bonfim, também em São João Del Rei. Lá, o policial penal, que trabalha no Presídio Regional do Mambengo, confessou o assassinato.

Conforme o suspeito, na terça-feira (11/05), ele flagrou conversas íntimas entre a sua esposa, enfermeira no Hospital Nossa Senhora das Mercês, na mesma cidade, e Vasconcellos. Indignado com a situação, ele se passou pela mulher e marcou um encontro com o médico no Loteamento Novo Horizonte nesta manhã, onde aconteceu o crime.

Conforme a Polícia Civil, foi ratificada a prisão em flagrante do homem por homicídio qualificado. “Os trabalhos da perícia técnica foram realizados no local dos fatos e o Inquérito Policial foi instaurado para apurar a motivação e as circunstâncias do crime. O suspeito encontra-se no sistema prisional, à disposição da Justiça”, informou.

Posicionamento

Em nota, a Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública (Sejusp) informou que tomou conhecimento do fato envolvendo o policial penal. “O Departamento Penitenciário de Minas Gerais (Depen-MG) acompanha o caso e tomará as medidas administrativas cabíveis quando o inquérito policial criminal for finalizado”, disse.

Ainda de acordo com a pasta, o policial penal é concursado desde 2009 e estava de folga na quarta-feira. Ele teria usado uma arma e munições particulares. José Augusto de Vasconcellos era natural de Juiz de Fora e atuava como clínico-geral e dermatologista. Ele deixa esposa e dois filhos. Fonte: Jornal O Tempo