Mãe e avó são indiciadas pela morte de criança com 37 facadas

A Polícia Civil indiciou a mãe e a avó da criança morta a facadas em Barbacena. A informação foi confirmada pela delegada Regional, Flávia Murta, em entrevista coletiva na terça-feira, 27/07. O laudo da perícia apontou 37 facadas na criança de 1 ano e dois meses, resultado de violência doméstica, com crueldade e sem chances de defesa da vítima.

O pai teve participação descartada. Já a avó foi indiciada por omissão de socorro, uma vez que as investigações apontaram ser impossível a genitora da autora não ter presenciado a ação de onde ela alega estar no momento. A avó da menina tinha elementos para realizar o socorro da criança de forma mais rápida, mas optou por buscar ajuda com terceiros o que levou cerca de 20 minutos.

Durante a prisão a mãe da menina alegou surto, mas os profissionais de psicologia e psiquiatria que acompanham a mulher afirmaram que ela havia sido diagnosticada com transtorno bipolar. Com relação ao pai da menina, a terapeuta da autora disse que esta era conflituosa e gerava ansiedade. Pelo histórico médico, não é possível afirmar que a autora foi acometida de um surto.

A arma do crime não foi encontrada e a Polícia não pode afirmar se foi utilizada faca ou tesoura. A mulher está recolhida no presídio de Juiz de Fora e deve ser transferida para Barbacena nos próximos dias. A PC pediu a prisão preventiva da mesma.

A autora alega que a violência doméstica sofrida por ela seria a motivação para o crime, mas os registros da Polícia Civil apontam que havia somente uma ocorrência desta natureza envolvendo o casal, na semana anterior ao homicídio. Na ocasião foi concedida, inclusive, uma medida protetiva para a mulher que estava sendo descumprida. Desde então ela vinha sentindo-se pressionada a resolver a situação, já que o companheiro, e pai da menina, vinha fazendo contato com familiares para pegar seus pertences na casa. Participaram da coletiva a delegada regional, Flávia Mara Camargo Murta; a delegada responsável pelo caso, Amanda Sfredo Martins Prezotti; o investigador, Rosemberg Pereira e a escrivã Isabel Cristina Moreira.

Fonte: Barbacena Online