Enfermeira congonhense cria campanha para incentivar a doação se sangue

Desde o início da pandemia o número de doadores de sangue caiu consideravelmente nos bancos de coleta em Minas Gerais e os níveis se encontram críticos nos hemocentros. Preocupada com a situação a enfermeira Jane Maria Santos de Paula criou o projeto social “Doe Sangue Congonhas”, que busca sensibilizar a população para a importância da doação de sangue.

Segundo a enfermeira, o processo durante a pandemia está sendo um grande desafio, já que o Covid-19 impactou o sistema de saúde de diversas maneiras. A pandemia afastou significativamente as pessoas dos postos de coleta. Para amenizar os danos, Jane organiza caravanas junto à população de Congonhas com destino à Belo Horizonte para realizarem a coleta do material. As campanhas para conseguir voluntários acontecem todos os dias através de Whatsapp, cartazes, rádio local e até em igrejas. Todas as semanas saem veículos, van e micro-ônibus sempre, respeitando o distanciamento no transporte com limite de pessoas.

Na data do dia 29/05, tivemos um número grande de doadores, totalizando 55 pessoas que realizarão a doação nos diversos bancos da capital mineira. A grande preocupação na queda de doadores é que além de pacientes com coronavírus, algumas patologias e procedimentos não podem ser suspensos devido à pandemia. Entre eles estão: cirurgias de urgência, anemias crônicas, câncer, complicações da dengue e acidentes que demandam transfusão sanguínea. Os tipos sanguíneos que mais precisam de doação no momento são O+, O-, A+ e B-.

Jane lembra que o ato de doar sangue salva-vidas e que uma bolsa pode atender até quatro pessoas. “Não devemos esperar algum parente ou pessoa próxima precisar para doarmos. Devemos ajudar o próximo agora”, diz. É importante ressaltar que os hemocentros estão seguindo todos os protocolos de segurança e higiene contra a Covid-19 e a doação continua sendo segura mesmo em meio à pandemia. Lembrando também que menores de 18 anos precisam do consentimento formal dos responsáveis, pesar mais de 50 kg e apresentar-se munido de documento oficial com foto.

Pessoas com febre, gripe ou resfriado, diarreia recente, grávidas e mulheres no pós-parto não podem doar temporariamente. Doadores que estiveram em contato com algum paciente com coronavírus positivo ou apresentou sintomas, não poderá fazer a doação de sangue por um período mínimo de 30 dias em caso de sintomas leves. Homens podem doar de dois em dois meses (Quatro doações no período de um ano) e mulheres de três em três meses no mínimo (Três doações no período de um ano). Para mais informações, restrições e recomendações acessa a página da hemominas: www.hemoninas.mg.gov.br.

Clique aqui e curta a página do Site Lafaiete Agora no Facebook