Em ano de olimpíada, medalha de ouro para profissionais de saúde e vacinação

O ano 2021 termina com a sensação de ter sido o mais difícil para todos nós. Vivemos o período mais crítico da pandemia da Covid-19 com perdas de muitas vidas. Mas nem tudo foi tragédia. 2021 foi o ano do avanço da vacinação contra a doença.

Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

No Brasil a vacina nos trouxe a esperança do fim da pandemia que a cada dia parece estar mais perto apesar da variante ômicron nos assombrar. A vacinação também possibilitou a retomada da economia nos seus mais variados setores, possibilitando a volta da realização de eventos esportivos, shows, encontros familiares e tantas outras atividades que ficaram paralisadas desde 2020.

Ainda com o negacionismo criado em torno da vacinação e as fake news espalhadas para manipular a população, temos que celebrar as vidas que foram salvas com a aplicação dos imunizantes. Vale também destacar o trabalho dos profissionais de saúde que tanto lutaram este ano para salvar vidas nos hospitais que atenderam pacientes da Covid-19.

No ano em que o Brasil brilhou na Olimpíada de Tóquio com tantos atletas e com destaque para Rayssa Lea, no skete e Rebeca Andrade, grande nome do esporte brasileiro em 2021 e que encanou no mundo na ginástica artística e no salto, peço licença para dedicar medalha de ouro para os profissionais da saúde e para a vacinação. No futebol, 2021 foi o ano da tríplice coroa do Atlético-MG que conquistou o Campeonato Mineiro, o Brasileiro e a Copa do Brasil e deixou a torcida com esperança de mais títulos ano que vem. No Cruzeiro que agora tem Ronaldo Fenômeno como dono, a expectativa é de dias melhores para torcida que espera conquistar em 2022 o retorno a Série A.

Que venha 2022 renovando a esperança de dias melhores para todos nós.

Por Jornalista José Carlos Vieira